IQA elege presidente e membros da diretoria

O Instituto da Qualidade Automotiva (IQA) reelegeu o executivo Ingo Pelikan como seu presidente para o biênio 2019-2021. Pelikan é gerente sênior de Gerenciamento de Fornecedores da Mercedes-Benz e representante da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Para comandar o IQA no mesmo período também foram eleitos membros da Diretoria Executiva, Conselho Diretor e Conselho Fiscal. Ao todo são 29 dirigentes, todos representantes de entidades responsáveis pela fundação do IQA, ligadas à cadeia automotiva, associações de classes, órgãos do governo e indústrias. Na Diretoria Executiva, a novidade é Bruno Neri (Sindipeças/ Bosch). Presidido por Elias Mufarej (Sindipeças), o Conselho Diretor conta com três novos nomes: Henry Joseph Junior (Anfavea), Raul Pereira (Sindipeças/ ElringKlinger) e Sérgio Alvarenga (Sindirepa). O IQA ainda possui um novo superintendente, Alexandre Xavier, que substitui Mário Guitti, que ocupou o posto por 18 anos.

Segundo o presidente, entre as metas para o próximo biênio estão fortalecer o relacionamento da entidade com os parceiros de negócios, expandir a atuação em diferentes regiões do País e estudar junto às entidades as expectativas para o setor, além de estar próximo do Inmetro para acompanhar tendências, como as mudanças no atual modelo de certificação de produtos.




IQA estará na Automec 2019



O Instituto da Qualidade Automotiva (IQA) estará presente na Automec 2019. A instituição irá divulgar seu portfólio de produtos e serviços voltados ao apoio da qualidade no setor automotivo. Na 14ª Feira Internacional de Autopeças, Equipamentos e Serviços, o IQA ficará no Market Lounge, estande localizado na entrada do pavilhão e compartilhado entre várias instituições.

Seu foco será a divulgação da certificação Selo Verde, destinada ao setor para a adoção de processos ambientais corretos. O serviço é o tema da palestra que será ministrada por colaboradores do IQA, na Automec Experience, em todos os dias da feira: 23/4, às 16h; 24/4, às 15h; 25/4, às 16h; 26/4, às 15h; e 27/4, às 13h.

Outro assunto abordado será a expansão do laboratório de análises químicas da entidade, para realização de ensaios em baterias e pilhas, de acordo com a resolução Conama nº 401, que determina os limites de chumbo, cádmio e mercúrio para certificação dos produtos. Segundo a instituição, trata-se de mais uma iniciativa que contribui para a proteção ao meio ambiente.

Automec
14ª Feira Internacional de Autopeças, Equipamentos e Serviços
Data:
23 a 27 de abril de 2019 (terça-feira a sábado)
Estande: K01a
Local: São Paulo Expo – rodovia dos Imigrantes, Km 1,5, Água Funda, São Paulo/SP




IQA amplia seu espaço para realização de ensaios químicos em baterias



Instituto da Qualidade Automotiva (IQA) está fazendo ensaios químicos em baterias e pilhas, de acordo com a resolução Conama nº 401, que determina os limites de chumbo, cádmio e mercúrio para a certificação dos produtos. O trabalho é feito no laboratório do IQA, no Parque Tecnológico de Sorocaba (SP) que foi expandido de 85 m² para 170 m². Também foi investido em equipamentos de última geração para coletar os elementos que compõem os produtos e preparar as soluções, e assim determinar os índices dos respectivos metais.

Entre as tecnologias que serão utilizadas nos ensaios químicos para baterias e pilhas estão o aparelho digestor de amostras por microondas, que transforma o estado das partículas de sólido para líquido, e instrumento de medição ICP, que faz a leitura dos níveis de chumbo, cádmio e mercúrio.

Durante a inauguração do espaço ampliado, em 21 de fevereiro, o presidente do IQA, Ingo Pelikan, destacou a importância das baterias para o setor automotivo. “O futuro da indústria depende das baterias em função de diversas tendências como eletrificação, conectividade e eficiência energética, que avançam fortemente”, afirmou.

Acreditado desde 2016 pela Coordenação Geral de Acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (CGCRE/ Inmetro), o laboratório já realizava ensaios para Arla 32 e líquido de freios.




IQA realiza ensaios para diagnosticar qualidade de líquidos de arrefecimento



O Instituto da Qualidade Automotiva (IQA) realiza ensaios com liquido de arrefecimento para comprovar a qualidade do produto. No ensaio é analisado a densidade relativa, teor de água, corrosão, ponto de congelamento, reserva alcalina, determinação de ponto de ebulição em equilíbrio de refluxo, teor de cinzas e ponto de fulgor. A coordenadora técnica do IQA, Roberta Morette, comenta que “Todos os ensaios são importantes para garantir as características funcionais do produto”.

Todo o trabalho é realizado em um laboratório próprio do IQA, localizado no Parque Tecnológico de Sorocaba. Acreditado desde 2016 pela CGCRE do Inmetro, o laboratório também possui equipamentos para realizar ensaios acreditados para fluido de freios e ARLA 32.




IQA confirma participação em painel no 2º CONGRESSO BRASILEIRO DO MECÂNICO



O 2º CONGRESSO BRASILEIRO DO MECÂNICO confirma que o Gerente de Serviços Automotivos do IQA, Sergio Ricardo Fabiano, irá participar do painel “Oficina sustentável”, que acontece no Auditório “D” – Atualização e gestão. O mediador do painel será o repórter das Revistas O Mecânico e CARRO, Gustavo de Sá.
Veja a programação completa no site http://omecanico.com.br/congresso/programacao

O 2º CONGRESSO BRASILEIRO DO MECÂNICO acontece no dia 27 de outubro, sábado, no Pavilhão Amarelo do Expo Center Norte em São Paulo/SP. Os ingressos do segundo lote para o evento estão à venda por R$ 198, para adquirir o seu basta acessar o site http://omecanico.com.br/congresso

O espaço tem mais de 8 mil m² com capacidade para 4 mil pessoas. Serão mais de 10 horas de palestras e exposição de estandes das principais marcas de fabricantes de peças para promover negócios e relacionamento.

Já estão confirmadas as empresas BorgWarner, Continental Contitech, Dana, Dayco, Delphi, DPK, Elring, Hengst, Hipper Freios, Iguaçu, iZettle, KYB do Brasil, Nakata, Schaeffler, SKF, SUN, Takao, Tecfil, Total Lubrificantes, TWW Bridgestone, Urba Brosol, VDO, Viemar, Wix e ZF. Não perca!

Serviço – 2º CONGRESSO BRASILEIRO DO MECÂNICO
Data: sábado, 27 de outubro de 2018
Horário: das 8h (abertura dos portões) às 19h30
Local: Expo Center Norte Pavilhão Amarelo
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, Zona Norte de São Paulo/SP
Mais informações: http://omecanico.com.br/congresso




6º Fórum IQA da Qualidade Automotiva acontece dia 10 de setembro



Acontece em setembro o 6º Fórum IQA da Qualidade Automotiva com o tema “Os Parâmetros da Qualidade em Ano de Transição e de Retomada dos Negócios”. O evento que ocorre dia 10 no Centro de Convenções Milenium, em São Paulo, contará com lideranças do setor automotivo, que vai desde fabricantes, autopeças, concessionárias, distribuidores, oficinas, entidades setoriais e consultorias até o governo.

Nesta edição do Fórum, o público terá a oportunidade de conhecer os conceitos de diversos especialistas sobre a indústria do futuro, que será norteada pela Manufatura 4.0. Haverá também discussões sobre como os parâmetros da qualidade serão adaptados no contexto da Indústria 4.0. “Mundialmente, a indústria avança na adoção de tecnologias disruptivas. Quem não acompanhar toda essa revolução certamente ficará para trás”, alerta o superintendente do IQA, Mário Guitti.

As inscrições podem ser feitas pelo site: www.iqa.org.br

Confira a programação:
08h15: Abertura com Ingo Pelikan, presidente do Instituto da Qualidade Automotiva (IQA).

08h30: Palestra “O desafio do programa rota 2030: uma nova política industrial”, com Dan Ioschpe, presidente do Sindipeças; e Antonio Megale, presidente da Anfavea.

09h15: Painel “Segurança de produtos: a tendência de digitalização e eletrificação dos automóveis”, com Bernd Kraemer, vice-presidente de Product Safety da Schaeffler Group AG; Bruno Neri, gerente da Qualidade Corporativa da Robert Bosch; Danilo Lapastini, CEO da Hexagon Manufacturing Inteligence; e Ricardo Teixeira Avila, diretor industrial da Sabó Indústria e Comércio. Mediação de Richard Schwarzwald, diretor da Qualidade da FCA.

11h15: Palestra “Os novos padrões de qualidade exigidos pelas fábricas inteligentes da indústria 4.0: perspectivas de curto, médio e longo prazos do setor automotivo”, com Mauro Toledo, gerente automotivo da Roland Berger.

11h45: Palestra “Qualidade no aftermarket: a reposição automotiva independente e a inspeção veicular”, com Luiz Sérgio Alvarenga, diretor executivo do Sindirepa Nacional.

12h10: Palestra “Qualidade no aftermarket: a reposição e os serviços no futuro”, com José Mauricio Andreta Júnior, vice-presidente da Fenabrave.

14h05: Debate “Avanços que já estão ocorrendo na indústria automobilística no campo do desenvolvimento de produto e na introdução da manufatura avançada: novos produtos e novas tecnologias”, com Claudio Castro, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Schaeffler para América do Sul; André Ferreira, engenheiro sênior de Produtos da Robert Bosch; Rafael Torres, diretor de Engenharia da Cummins para América Latina; e Pedro Afonso, diretor de Tecnologia de Operações da Mercedes-Benz. Mediação de Ingo Pelikan, presidente do IQA.

15h35: Palestra “A qualidade como ingrediente indispensável para o sucesso do rota 2030: a rota da qualidade no novo cenário que se desenha”, com Letícia Costa, sócia-diretora da Prada Assessoria.

16h15: Encerramento

Serviço:
6º Fórum IQA da Qualidade Automotiva

Data: 10 de setembro de 2018, das 8h15 às 16h15.
Local: Centro de Convenções Milenium – Rua Dr. Bacelar, 1.043, Vila Clementino, São Paulo, SP
Informações e inscrições: www.iqa.org.br
E-mail: forumdaqualidade@iqa.org.br – Telefone: (11) 5091-4545




Oficina mecânica de Diadema/SP conquista a Certificação do IQA



A oficina de serviços mecânicos Duda Auto Center, que funciona há cinco anos no Centro de Diadema/SP, conquistou recentemente a Certificação do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva.

De acordo com o gerente de Serviços do IQA, Sérgio Ricardo Fabiano, a certificação é uma ferramenta que a oficina pode utilizar para avaliar processos de gestão. Ele explica que a certificação tem como base a ISO 9000, cujos itens avaliados foram adequados para as necessidades específicas da oficina. Esses itens abordam desde a organização gerencial até o processo de atendimento de garantia, passando pelo respeito ao meio ambiente, gestão de pessoas e, até mesmo, divulgação e marketing. Para obter a certificação, a empresa deve atingir pelo menos 50% de pontuação em um checklist com média de 140 itens diferentes.

Em evento de entrega do certificado, realizado em abril, Sérgio parabenizou a equipe da Duda Auto Center e lembrou que o trabalho é contínuo. “Agora todos têm a missão de realizar o acompanhamento permanente dos processos, além de implementar novos processos porque o mercado evolui muito rapidamente”, disse.

Douglas Palma, diretor do Conselho Fiscal do Sindirepa, destacou ainda que todos os esforços são recompensados. “Todos ganham com a certificação. A oficina melhora processos e fideliza clientes, o que gera ganhos financeiros. Os funcionários também ganham com um ambiente de trabalho mais organizado, com processos fluídos”, afirmou Palma.

Durante o processo de certificação, a empresa Duda Auto Center foi organizada para oferecer máxima eficiência no atendimento. “As pessoas estão preparadas para realizar serviços de excelência no atendimento, diagnóstico e execução dos trabalhos, por meio da padronização dos processos, que estão bem definidos”, contou Alexandre Duda, proprietário da oficina.

Credenciada pela Porto Seguro, a oficina conta com área de atendimento personalizada, layout produtivo com ambiente de fácil movimentação, área de desmontagem e montagem completa e área de alinhamento, além de sala de espera.

Com expectativa de fidelizar os clientes e aumentar os faturamentos das empresas, Duda já deu início à certificação de duas outras unidades da oficina: uma localizada na Vila Humaitá, em Santo André, e outra instalada no Piraporinha, em Diadema. “Nós precisamos nivelar o mercado com serviços de elevada qualidade”, argumentou.

Interessados em obter mais informações sobre a certificação do IQA podem contatar o Instituto por meio do telefone (11) 5091-4545 ou do e-mail negocios@iqa.org.br




Laboratório Químico do IQA inicia ensaios em líquido de arrefecimento



O Laboratório Químico do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva, acreditado pela CGCRE (Coordenação Geral de Acreditação) do Inmetro, realiza uma série de ensaios em produtos automotivos conforme as especificações das normas ABNT NBR. Um dos produtos recentemente analisados pelo IQA foi o líquido de arrefecimento para motor.

Segundo a entidade, o líquido de arrefecimento pode evitar danos ao veículo caso atenda os parâmetros de qualidade. “Um produto de qualidade propicia a proteção adequada contra congelamento, fervura, vaporização e corrosão”, afirma Marino Verri, especialista técnico do IQA. “Os motores terão a durabilidade garantida se sempre trabalharem na faixa de temperatura para a qual foram projetados”, completa.

Em amostras de líquido de arrefecimento, o Laboratório Químico do IQA realiza diversos ensaios como a análise do ponto de ebulição, uma vez que produtos destinados à refrigeração dos motores de combustão interna devem ter o ponto de ebulição acima dos 150ºC. “Assim não haverá evaporação do aditivo. Produtos que não atendem este requisito têm a capacidade refrigeração comprometida, podendo encurtar significativamente a vida do motor”, alerta.

Também são realizadas as análises de corrosão, ponto de congelamento, determinação do PH, reserva alcalina, densidade relativa, teor de água e índice de refração. “Todos os ensaios são importantes para garantir as características funcionais do produto”, explica Verri. Interessados em obter mais informações sobre os produtos automotivos ensaiados pelo laboratório podem contatar o IQA por meio do telefone (11) 5091-4545 ou do e-mail negocios@iqa.org.br




Oficina automotiva certificada pelo IQA cita benefícios da qualidade

Oficina Nilson Auto Center, em Tangará da Serra/MT

Oficina Nilson Auto Center, em Tangará da Serra/MT


O IQA (Instituto da Qualidade Automotiva), organismo acreditado pelo Inmetro, destaca os resultados da oficina Nilson Auto Center, em Tangará da Serra/MT, que é certificada pela entidade. Com mais de 10 anos de mercado, a oficina dobrou a capacidade produtiva em endereço recém-inaugurado, para 970 m².

A oficina foi certificada em 2015 e passou por recente auditoria de acompanhamento, que, segundo o IQA, atestou a oferta de produtos e serviços automotivos com elevada qualidade. “O IQA nos orientou em todo o processo a seguir padrões de excelência, o que gerou diversas melhorias”, diz Nilson Alberto Biaruz, proprietário da empresa, que já notou aumento de demanda no atual endereço.

A entidade ressalta pontos positivos, como a adoção de layout produtivo com ambiente de fácil movimentação, área de atendimento personalizada, área de desmontagem e montagem completa e área de alinhamento com equipamentos de última geração, além de sala de espera VIP com lanchonete e banheiros adaptados.

A oficina ainda dispõe de sistema de filtragem da água contaminada com óleo (decorrente da lavagem de peças), coleta de resíduos realizada por empresas que são credenciadas pelos órgãos ambientais e coleta de água de chuva para reaproveitamento. Além disso, todas as atividades são padronizadas por meio de processos e fluxogramas em cada área.

Segundo Sérgio Fabiano, gerente de Serviços Automotivos do IQA, a evolução da Nilson Auto Center comprova a importância da certificação para o segmento de reparação automotiva. “Oficinas que investem em qualidade possuem todos os requisitos para crescer e desenvolver negócios sustentáveis dos pontos de vista técnico, financeiro e ambiental”, avalia o engenheiro.

Os centros de reparação automotiva interessados em obter certificação podem contatar o IQA por meio do telefone (11) 5091-4545 ou do e-mail negocios@iqa.org.br




Qualidade em Série

Boas práticas ambientais na reparação

qualidade_ed260_AB

Certificação de Selo Verde mostra como oficinas podem passar de empresas poluentes para exemplos de sustentabilidade


Texto: Fernando Lalli
Fotos: arquivo



Diminuir o impacto da atividade humana na natureza não é mais uma opção. Ainda mais no caso da reparação automotiva, que lida com diversos elementos altamente contaminantes para a água, o solo e o ar. “As oficinas, principalmente as mecânicas, fazem parte de um conjunto em empresas que geram material poluente”, destaca Sérgio Ricardo Fabiano, gerente de serviços do IQA (Instituto da Qualidade Automotiva).

Entre esses poluentes está o lixo gerado por peças usadas, os resíduos da lavagem de peças, e os fluidos que são retirados do veículo e descartados, como combustíveis, óleos de câmbio e motor, fluido de freio, fluido refrigerante de ar-condicionado, líquido de radiador, entre outros. Esse material é gerado todos os dias, por todas as oficinas, e precisa ser controlado.http://omecanico.com.br/260-qualidade-em-serie/
Nestes tempos de crise, é difícil convencer empresas a adotar soluções ecológicas que não trazem retorno financeiro imediato. Porém, existem caminhos pelos quais a oficina pode seguir para diminuir o impacto ambiental de seu trabalho e até economizar nas contas do fim do mês, além de educar e fidelizar o cliente final.

Em 2007, o IQA (Instituto da Qualidade Automotiva), desenvolveu uma certificação que avalia as oficinas mecânicas e as demais empresas do setor quanto a preocupação ambiental. “A certificação do Selo Verde tem por objetivo a conscientização, a preservação dos recursos energéticos e hídricos e, como foco, a melhoria dos processos internos da empresa voltados para a preservação do meio ambiente”, declara Sérgio.

O Selo Verde engloba várias modalidades de oficinas mecânicas, retíficas, funilaria e pintura, centros de reciclagem e até varejo de autopeças. A certificação vale por dois anos, com a auditoria de acompanhamento ocorrendo após os primeiros 12 meses. Apesar de conter pontos em comum com outros tipos de certificação de qualidade, o Selo Verde é uma avaliação independente.

“O Selo Verde é focado nas questões ambientais. Existem pontos em comum como, por exemplo, a exigência da caixa separadora água-óleo, que também está na certificação de centro de reparação. Mas são focos diferentes em cada certificação”, explica o gerente de Serviços do IQA, afirmando que cerca de 50 empresas possuem o selo.

qualidade_ed260_1

Pontos avaliados

Atualmente, o Selo Verde contempla 65 itens a serem seguidos, acompanhando a evolução das necessidades ambientais. Aqui, vamos focar nos principais pontos que tangem as oficinas mecânicas.

Tudo começa com a legalidade da empresa: são obrigatórios o alvará de funcionamento, alvará do Bombeiro e a licença ambiental dada pelo município. “Não podemos certificar ambientalmente uma empresa que não esteja legalizada”, declara o gerente de Serviços do IQA. As instalações prediais da oficina precisam atender a diversos requisitos. Na área externa, recomenda-se que o luminoso com a identificação da oficina tenha lâmpadas de baixo consumo e a entrada deve ser pavimentada com piso permeável, que permita a absorção da água da chuva pelo solo. Internamente, no entanto, o piso precisa ser impermeável para conter a infiltração de óleo ou fluidos.

Na cobertura, é avaliada a presença de sistema de troca de ar adequado – preferencialmente, exaustores de teto movimentados pela força do vento, sem eletricidade. Outro ponto é a presença de telhas translúcidas e maior área possível de janelas envidraçadas para aproveitar a luz natural. Para diminuir o consumo de eletricidade, é orientado o uso de lâmpadas de baixo consumo e sensores de presença, principalmente, em áreas como o estoque de peças.

qualidade_ed260_2

É desejável que a oficina tenha sistemas de coleta de água de chuva e reaproveitamento de água em locais de uso não-potável, como no banheiro. “Algumas empresas estão reutilizando inclusive a água que sai do ar condicionado para reaproveita-la em lavagem. Evidentemente, essa coleta deve ser feita em recipientes fechados para não permitir a proliferação de insetos”, afirma Sérgio. Os próprios banheiros também necessitam estar equipados para economizar água: descargas duo fluxo e torneiras com desligamento automático são pontos a favor para a certificação.

A gestão rigorosa das contas em si (água e luz) por parte da administração da empresa também é avaliada. A instalação elétrica adequada e implementação de “5S” também são considerados, além da presença de pátio adequado para os veículos que não estão sendo trabalhados (e que precisam estar cobertos com capas). A caixa separadora água-óleo, como já mencionado, é obrigatória, e a avaliação da água depois de tratada deve ser semestral.

qualidade_ed260_3

Fator humano

Os funcionários devem passar por treinamento ambiental para aprenderem sobre destinação correta, os riscos dos poluentes e evitar desperdício. Também é avaliado se a oficina possui boa sinalização com orientações gerais para boas práticas ambientais por parte de funcionários e clientes, bem como, a realização de coleta seletiva e de reaproveitamento de papel de impressão.

O descarte adequado de materiais, que é obrigatório, não envolve apenas contratar uma empresa especializada: a oficina precisa separar e identificar adequadamente cada tipo de material antes de seu recolhimento. Também é obrigatório ter os registros das empresas que coletam os materiais rejeitados, seja óleo, peças usadas, vidro, papel etc. “As empresas que retiram esses materiais devem ter licença do Estado ou do município para poder recolher e dar o destino correto àquele material”, afirma Sérgio. Inclusive, os panos de limpeza de mãos devem ser recolhidos e lavados por uma empresa licenciada para o serviço.

qualidade_ed260_4

Além disso, o armazenamento dos tambores de óleo necessita ser feito em locais fechados e impermeáveis que sejam capazes de reter todo o material em caso de vazamento, seja por meio de alvenaria ou suportes plásticos à venda no mercado. “Essa área deve comportar 10% a mais do que a capacidade do recipiente”, aponta o especialista do IQA. “Se o galão tem capacidade para 200 litros, ele deve estar contido em um local capaz de reter 220 litros a sua volta”.

Equipamentos adequados

Para as oficinas mecânicas, o processo de certificação recomenda a adoção de ferramentas pneumáticas ao invés de elétricas. “No caso das ferramentas pneumáticas, a eletricidade apenas aciona o carregamento do compressor. Dependendo do número de ferramentas elétricas na oficina, o consumo de energia vai ser muito maior no acionamento individual”, explica Sérgio.

O aspirador de gases para colocar no escapamento dos veículos deve estar presente na oficina, bem como, a máquina recicladora de fluidos de ar-condicionado. Lembramos que muitas oficinas ainda possuem o hábito de abrir a válvula do circuito de ar-condicionado e deixar que o “gás” (que, na verdade, é o fluido refrigerante) fique vazando. Este é um erro grave, porque o fluido refrigerante é prejudicial à saúde do ser humano. Quanto às máquinas de lavagem de peças, é recomendável priorizar aquelas disponíveis no mercado que utilizam líquidos biodegradáveis.

O processo de manutenção preventiva e preditiva de ferramentas e equipamentos da oficina precisa ser controlado e também é considerado na certificação do Selo Verde. O armazenamento adequado de produtos químicos inflamáveis (como tinta) é igualmente avaliado.

A preservação do meio ambiente é uma necessidade do mercado, afirma Sérgio. “Todos esses pontos são avaliados. Alguns são obrigatórios, outros desejáveis. Com tudo isso, o foco é a preservação ambiental. Lógico que a certificação abrange também a segurança profissional e a legalidade da empresa, que acabam convergindo para a questão ambiental”.

qualidade_ed260_6

Ele destaca que a questão da preservação do meio ambiente, hoje, está muito mais latente com a questão da água. “Quanto mais contaminantes estamos jogando nos efluentes, mais diminuímos a quantidade de água potável para consumo”, declara Sérgio. “A oficina, com a quantidade de produtos contaminantes que ela tem, tanto na água e no ar, é uma grande poluidora e tem que se tornar um ponto de referência e precisa ser vista por uma ótica diferente”, finaliza o gerente de serviços do IQA.

Para saber mais sobre a certificação de Selo Verde e suas especificidades para cada tipo de empresa do setor da reparação automotiva, o IQA orienta o interessado a entrar em contato através do e-mail: negocios@iqa.org.br ou pelo telefone (11) 5091-4545.