Emplacamentos têm alta de 14,1% no acumulado até novembro



De acordo com o levantamento pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), o segmento de automóveis e comerciais leves somou, no acumulado de janeiro a novembro de 2018, 2.245.677 unidades licenciadas, resultado que representa alta de 14,1% sobre as 1.967.369 unidades do mesmo período de 2017.

Em novembro de 2018, foram vendidas 221.317 unidades deste segmento, apontando crescimento de 12,2%, sobre o mesmo mês do ano passado. Na comparação com outubro de 2018, quando foram licenciadas 244.732 unidades, as vendas de automóveis e comerciais leves mostram retração de 9,5% em novembro. Uma das explicações para a queda pode estar na maior quantidade de feriados nacionais em novembro.

O mercado total, considerando automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros, somou, no acumulado do ano, alta de 13,9%, registrando 3.322.355 unidades, contra as 2.915.490 unidades vendidas em 2017.




Emplacamento de veículos cresce 12,37% no 1º semestre de 2018, divulga Fenabrave



A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgou nesta terça-feira (3), que foram emplacados 1.691.556 veículos no primeiro semestre de 2018. Em comparação com o mesmo período do ano passado, houve crescimento de 12,37%.

Segundo a entidade, os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, foram responsáveis por 1.127.217 das unidades licenciadas, o que representa crescimento de 13,71% no comparativo com o mesmo acumulado de 2017. Já o mercado de caminhões emplacou 32.338 unidades, registrando assim alta de 50,71%.

No segmento de Implementos Rodoviários, os licenciamentos cresceram 79,80% em relação ao mesmo período do ano passado, totalizando 20.019 unidades. Enquanto isso, no setor de motocicletas, foram 456.889 unidades, 6,93% acima das vendas registradas de janeiro a junho de 2017.

Segundo Sérgio Zonta, vice-Presidente da Fenabrave para os Segmentos de Caminhões e Implementos Rodoviários, houve um expressivo aumento nos níveis de financiamento, principalmente pela oferta dos bancos privados e ligados às fabricantes de veículos, o que tem contribuído, significativamente, para esta retomada. “Além disso, verificamos uma queda acentuada na inadimplência e, mesmo com as recentes revisões do PIB, as perspectivas para o segmento continuam positivas, até, porque, a base de comparação com anos anteriores ainda é muito baixa”, comentou.

Já as transações de veículos usados tiveram queda em junho. Todos os segmentos somados – automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros – apresentaram retração de 8,55% em junho, na comparação com o mês anterior. Em comparação com o mesmo mês de 2017, o resultado geral apresentou baixa de 7,97%. Já entre janeiro e junho de 2018, houve alta de 0,73% sobre o acumulado de 2017, somando 6.779.505 mil veículos.




Emplacamentos registram alta de 17,65% de janeiro a abril de 2018



Emplacamentos de veículos registram um aumento de 17,65% no quadrimestre, ou seja, de janeiro a abril deste ano. Os dados foram apurados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (FENABRAVE), considerando automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros, somou 1.108.913 unidades, o que representa aumento de 17,65% comparado às 942.537 unidades licenciadas no mesmo período do ano passado.

Apenas em abril, foram emplacados 311.181 veículos, 34,80% acima do volume registrado no mesmo mês do ano passado, com 230.848 licenciamentos. Na comparação com março, quando foram licenciadas 298.626 unidades, houve um acréscimo de 4,20%.

Do total comercializado, 737.282 unidades são dos segmentos de automóveis e comerciais leves, que registraram crescimento de 20,45% perante igual período do ano passado, quando foram licenciadas 612.117 unidades. Em abril, esses dois segmentos, juntos, somaram 209.995 unidades, o que representa 37,83% de alta sobre o mesmo mês de 2017. Na comparação com março, que totalizou 200.085 veículos emplacados, esse volume é 4,95% maior.

Para o Presidente da FENABRAVE, Alarico Assumpção Júnior, o mercado se mantém firme em sua rota de recuperação, seguindo a perspectiva de crescimento projetado pela entidade. “A queda na inadimplência aliada à queda da taxa de juros, vem favorecendo o setor como um todo. Atualmente, a inadimplência da carteira de crédito, com recursos livres para pessoas físicas, é de 2,5%, e para pessoas jurídicas é de 3,6%. Estes resultados são os menores desde do mês de abril de 2011, fatores que favorecem a oferta de crédito pelas instituições financeiras”, declara o Presidente da entidade.

Outros segmentos

O segmento de motocicletas demonstrou bons resultados em abril. As 82.152 motocicletas emplacadas no mês representaram 26,47% de avanço perante as vendas de abril do ano passado, e 3,52% acima do volume de março. No acumulado de janeiro a abril, o segmento de duas rodas somou 301.542 emplacamentos, mostrando importante retomada de 9,27% ante os mesmos meses de 2017.

Em ritmo acelerado, o mercado de caminhões segue sua trajetória de recuperação. De janeiro a abril, foram licenciados 20.891 caminhões, o que representa 58,76% a mais do que em igual intervalo do ano passado. As vendas de abril somaram 6.223 unidades, 78,41% acima do volume de idêntico mês de 2017 e 4,27% na comparação com março de 2018.




Aumenta o número de automóveis emplacados no 1º semestre de 2017



Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores divulgou o desempenho do setor automotivo no mês de junho e do acumulado de 2017.

Para todo o setor da Distribuição de Veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros), o mês de junho apresentou retração de 3% em relação a maio (277.194 unidades em junho, contra 285.757 em maio). Na comparação entre os meses de junho 2017 e junho de 2016, o setor teve alta de 5,15%.

De acordo com a Fenabrave, no acumulado do ano, houve baixa de 5,48% para todos os setores somados. No primeiro semestre de 2017 foram emplacadas 1.505.453 unidades, contra 1.592.711 no mesmo período de 2016. Entretanto, o segmento de automóveis e comerciais leves, somados, em comparação com junho do ano passado (166.416 unidades), teve alta de 13,71%. No acumulado do ano, esses segmentos cresceram 4,25%. Foram comercializadas 991.475 unidades no 1º semestre de 2017, contra 951.098 no mesmo período de 2016.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., apesar do mês de junho ter tido um dia útil a menos (21 dias contra 22 dias em maio), o crescimento da média diária, em 4,5% para automóveis e comerciais leves, que chegou a 9 mil unidades emplacadas, praticamente anulou este efeito.

Projeções Revisadas:
Com base nos estudos realizados pela Federação, o setor como um todo deverá apresentar pequena queda em 2017, chegando a -1,6% para todos os segmentos somados.

Para os segmentos de automóveis e comerciais leves, a expectativa é de alta de 4,3% sobre os resultados.

Já para caminhões e ônibus, a Fenabrave projeta retração de 10,2%, sendo -11,5% para caminhões, -5,5% para ônibus e -7,1% para implementos rodoviários.

O segmento de motocicletas, que vem sofrendo sucessivas quedas desde a crise de 2008, deverá apresentar retração estimada em 13,5%.

Acompanhe, na tabela a seguir, os dados de emplacamentos:

Fonte: Fenabrave



Acompanhe, na tabela a seguir, os dados de emplacamentos de veículos USADOS para cada segmento automotivo:

Fonte: Fenabrave





Vendas de usados crescem 24,8% em maio



As transações de veículos usados, considerando todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), apresentaram alta de 24,8% em maio, na comparação com o mês anterior. Ao todo, foram transacionadas 1.273.117 unidades em maio de 2017, ante 1.020.115 em abril.

Na comparação com maio de 2016, o resultado geral de transações de usados apresentou crescimento de 16,42%. No acumulado do ano (janeiro a maio), o mercado de usados apresenta alta de 8,37% no comparativo com o mesmo período do ano passado. Ao todo, foram transacionadas 5.518.426 unidades em 2017, contra 5.092.002 veículos em 2016.

Para os segmentos de automóveis e comerciais leves, as transações realizadas em maio apresentaram alta de 25,08% sobre abril. Ao todo, foram negociadas 957.579 unidades no quinto mês do ano, contra 765.602 em abril. Em relação a maio de 2016 (812.806 unidades), houve crescimento de 17,81% na comercialização de usados destes veículos.

Do total de automóveis e comerciais leves usados negociados, os veículos com até 3 anos de fabricação representaram 14,34% do total transacionado em maio, e 13,66% do acumulado do ano.




Vendas em maio crescem 24,7% em relação a abril



A venda de automóveis e comerciais leves novos cresceu 24,7% em maio, na comparação com abril. Foram emplacadas 190.131 unidades no quinto mês do ano, contra 152.366 no mês anterior. Na comparação com maio de 2016, o avanço é de 17,2%. No acumulado do ano, o saldo também é positivo: aumento de 2,2% sobre o mesmo período de 2016. Os dados foram divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) na tarde desta quinta-feira (1º).

A média diária de vendas para automóveis e comerciais leves cresceu 2,1% entre abril e maio deste ano, passando de 8.465 unidades para 8.642 no último mês. “Se mantivermos este volume de crescimento nas vendas diárias, encerraremos 2017 com o crescimento de 2,04% nas vendas destes segmentos”, afirma o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

Se somarmos todas as categorias do setor da distribuição de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros), houve queda de 7,59% no acumulado do ano. Nos primeiros cinco meses deste ano, foram emplacadas 1.228.275 unidades, contra 1.329.100 entre janeiro e maio de 2016.

Mais vendidos

Entre os automóveis, o Chevrolet Onix se manteve na liderança, com 15.007 unidades emplacadas em maio. O compacto da GM é seguido de longe por Ford Ka, com 9.326 unidades, e Hyundai HB20, com 8.981 emplacamentos.

Entre os SUV’s, o Jeep Compass fechou mais um mês na liderança do segmento, com 4.458 emplacamentos, seguido de Honda HR-V (4.408) e Hyundai Creta (3.751). Destaque para o Ford EcoSport (3.096), que conseguiu ficar à frente do Jeep Renegade (2.869).




Emplacamento de veículos cai em dias corridos, mas se recupera em vendas diárias no mês de abril



Apesar do resultado do quadrimestre apontar para uma queda que chegou a 11,45% entre janeiro e abril de 2017 sobre o mesmo período de 2016 (dias corridos), se consideradas as vendas diárias de todos os segmentos (dias úteis), houve aumento de 4,3% no volume de emplacamentos, o que demonstra sinais de recuperação do setor, afirma a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Segundo dados apurados pela entidade, os emplacamentos de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros) apresentaram queda de 18,31% em relação a março, se considerados os dias corridos. Foram emplacadas 230.854 unidades em abril, contra 282.613 no mês anterior. Na comparação entre os meses de abril 2017 e o mesmo mês de 2016 (266.478 unidades), o setor automotivo registrou retração de 13,37% este ano. “Além da lenta recuperação da economia, os feriados também impactaram no volume de dias úteis, o que repercutiu, diretamente, na queda registrada nos emplacamentos. Se considerarmos as vendas diárias, notaremos aumento de 4,23% nos emplacamentos”, declara Alarico Assumpção Júnior, Presidente da Fenabrave.

Considerados os dias corridos, no acumulado do ano, a queda chegou a 11,45% para todos os setores somados. Nos primeiros quatro meses deste ano, foram emplacadas 942.530 unidades, contra 1.064.446 no mesmo período de 2016.

Vendas diárias de automóveis e comerciais leves crescem
Mesmo com queda de 17,11% em abril sobre março de 2017, e de 3,25% na comparação com abril de 2016 (considerando dias corridos), os segmentos de automóveis e comerciais leves apresentaram recuperação no volume de vendas diárias. Foram emplacadas 8.466 unidades por dia em abril deste ano, contra 7.993 unidades em março, num crescimento de 5,92%. Se comparadas às vendas diárias de abril de 2016, quando foram emplacadas 7.875 unidades, a evolução chega a 7,5%. “Tivemos cinco dias a menos em abril se comparado ao mês anterior (23 em março contra 18 em abril). Esse aumento no volume de vendas diárias nos faz acreditar que estamos interrompendo a curva de queda e iniciando uma recuperação, ainda que moderada.

No acumulado desses segmentos, ainda temos retração de 1,67%, mas estamos confiantes que teremos melhores resultados nos próximos meses, se os índices de confiança forem retomados e a economia voltar a girar”, comentou Assumpção Júnior.

Acompanhe, na tabela a seguir, os dados de emplacamentos de veículos NOVOS para cada segmento automotivo.



Transações de Usados crescem 6,7% no acumulado
As transações de veículos usados, considerando todos os segmentos automotivos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), apresentaram retração de 14,53% em abril, na comparação com o mês anterior. Ao todo, foram transacionadas 1.020.115 unidades em abril de 2017, contra 1.193.544 em março. Na comparação com o mês de abril/2016, o resultado geral de transações de usados apresentou queda de 0,95%, chegando a 1.029.870 unidades transacionadas no período.

Já no acumulado do quadrimestre, o mercado de usados apresentou alta de 6,17% no comparativo com o mesmo período do ano passado. Ao todo, foram transacionadas 4.245.307 unidades em 2017, contra 3.998.447 unidades em 2016.

Para os segmentos de automóveis e comerciais leves, as transações apresentaram baixa de 14,13% em abril sobre março. Ao todo, foram negociadas 765.602 unidades no quarto mês deste ano, contra 891.554 em março. Em relação a abril/2016 (760.385 unidades), houve crescimento de 0,69% nas transações destes veículos.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, apesar de o mês de abril ter apresentado uma queda de 14,53% em dias corridos, o resultado, em dias úteis, apontou crescimento de 9,21%. “Este mercado se manterá aquecido ao longo de 2017, motivado pelas oportunidades que surgem no momento da “troca com troco” dos veículos”, declara Assumpção Júnior.

Do total de automóveis e comerciais leves negociados, os usados (de até 3 anos de fabricação) representaram 14,16% do total transacionado em abril, e 13,45% do acumulado do ano.

Acompanhe, na tabela a seguir, os dados de emplacamentos de veículos USADOS para cada segmento automotivo.





Venda de veículos usados têm alta de 7,83% no 1º bimestre se comparada a 2016



De acordo com levantamento feito pela Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, as transações de veículos usados, considerando todos os segmentos automotivos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros), apresentaram alta de 7,83% no acumulado do bimestre, comparado com o mesmo período do ano passado. Ao todo, foram transacionadas 2.031.648 unidades até agora em 2017.

Na comparação de fevereiro/2017 com o mês anterior, houve queda de 13,39%. Ao todo, foram transacionadas 942.939 unidades, contra 1.088.709 em janeiro/2017. Já na comparação com o mês de fevereiro/2016, o resultado geral de transações de usados apresentou alta de 0,30%, quando foram transferidas 940.161 unidades no período.

Quando analisados apenas os segmentos de automóveis e comerciais leves, as transações apresentaram retração de 14,19% em fevereiro com relação a janeiro. Ao todo, foram negociadas 709.805 unidades no segundo mês deste ano, contra 827.178 em janeiro. Em relação a fevereiro/2016 (698.798 unidades), houve crescimento de 1,58% nas transações destes veículos.

De acordo com o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, a queda nas transações de veículos usados em fevereiro sobre janeiro se deu pelos quatro dias úteis a menos no segundo mês do ano. “O mercado de veículos usados, assim como o de veículos seminovos, continua aquecido. Enquanto o mercado de novos retraiu 14,9% no acumulado, o de usados apresentou uma alta de 7,8% neste primeiro bimestre, fazendo com que o índice de correlação registre 4,6 usados transacionados para cada novo emplacado “, avaliou o presidente da Federação.

Assumpção Júnior justificou a continuidade deste movimento positivo. “O comprador leva em consideração as vantagens nos preços dos veículos usados mais equipados em relação ao preço dos veículos novos, ou seja, estes veículos usados já sofreram depreciação, tornando-se um item muito importante na tomada de decisão na hora da compra “, explicou o presidente da Federação.

Do total de automóveis e comerciais leves transacionados, os usados (de 1 a 3 anos de fabricação) representaram 13,26% das negociações realizadas em fevereiro de 2017.

Acompanhe, na tabela a seguir, os dados de emplacamentos de veículos USADOS para cada segmento automotivo:




Fevereiro registra queda no emplacamento de veículos novos



Com quatro dias úteis a menos que janeiro, o segundo mês de 2017 encerrou com queda de 8,57% em todo o setor. Automóveis e Comerciais leves, somados, fecharam fevereiro com vendas 7,77% menores que janeiro, porém, a média diária de vendas foi 12,7% maior.

De acordo com o levantamento realizado pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), os emplacamentos de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos) apresentaram queda de 8,57% no mês de fevereiro, no comparativo com janeiro. Ao todo, foram emplacadas 204.938 unidades no segundo mês de 2017, ante as 224.138 registradas no mês anterior.

Na comparação dos acumulados de 2016 e 2017, o mercado automotivo retraiu 14,88%. Foram emplacadas 429.076 unidades nos dois primeiros meses deste ano, contra 504.067 no mesmo período de 2016. Ao comparar fevereiro deste ano com o mesmo mês do ano passado, a queda foi de 15,72%.

Conforme os dados apresentados pela entidade, os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, também apresentaram queda no acumulado do ano, com uma redução de 5,42% sobre o ano passado. Ao todo, foram emplacadas 275.966 unidades em 2017, contra 291.768 em 2016. No mês de fevereiro (132.405 unidades) houve queda de 7,77% para os segmentos, se comparados ao mês de janeiro (143.561 unidades). Com relação a fevereiro de 2016 (142.091 unidades), o resultado aponta uma baixa de 6,82%.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, além dos dias úteis a menos em fevereiro, o resultado do mês ainda é efeito da sazonalidade de início de ano, onde as vendas, historicamente, são mais baixas. “Porém, já observamos uma melhora na média de vendas diárias, que cresceram 12,7% em fevereiro, chegando a 7.356 automóveis e comerciais leves emplacados todos os dias”, explicou, comentando que, se não fossem os quatro dias úteis a menos, o resultado de fevereiro seria diferente.
Segundo Assumpção Júnior, o mercado automotivo passará por um momento de retomada, mesmo que moderada, ao longo do ano, com a expectativa de maior crescimento a partir do segundo semestre. “Dificuldades como essas, agregadas ao baixo índice de confiança, fizeram com que as famílias e as empresas se retraíssem em relação ao consumo, retardando a tomada de decisão para a compra de veículos novos”, completou.

Previsões para 2017
Com base nos estudos realizados pela Fenabrave, o setor como um todo deverá apresentar crescimento moderado em 2017, chegando a 3,11% para todos os segmentos somados.

Para os segmentos de automóveis e comerciais leves, a expectativa é de alta de 2,04% sobre os resultados.

Já para caminhões e ônibus, a Fenabrave projeta crescimento de 3,15%, sendo 2,8% para caminhões, 4,40% para ônibus e 7,08% para implementos rodoviários.

O segmento de motocicletas, que vem sofrendo sucessivas quedas desde a crise de 2008, deverá apresentar alta estimada em 4,04%.

Para tratores e máquinas agrícolas, a previsão é chegar a um crescimento de 13,5% em 2017, reforçado pelos bons resultados do agronegócio no País.




Queda nas vendas de veículos novos em Janeiro

A Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores apurou, nesta quarta-feira, 1 de fevereiro, o desempenho do setor automotivo no mês de janeiro, em comparação com dezembro de 2016 e com o mesmo mês de 2016.

 

No levantamento dos emplacamentos, o primeiro mês de 2017 teve queda de 25% sobre dezembro de 2016 nas vendas de todos os segmentos somados, onde se incluem automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros. Ao todo, foram comercializadas 224.164 unidades em janeiro, contra 298.898 no mês anterior. Na comparação com janeiro de 2016 (260.909 unidades), o setor apresentou retração de 14,08%.

 

Os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, apresentaram queda de 27,85% em janeiro. Foram emplacadas 143.582 unidades, contra 199.000 em dezembro de 2016. Se comparado com janeiro do ano passado (149.677 unidades), o resultado aponta queda de 4,07%. Se considerados apenas os comerciais leves, houve crescimento de 20,4% na comparação de janeiro 2017 e o mesmo mês de 2016.

 

Para Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave, tradicionalmente, janeiro é um mês mais fraco nas vendas de veículos em função da antecipação de compras em dezembro e dos compromissos da população no início do ano. “As promoções do final do ano e o 13º salário, geralmente, atraem o público a adquirir um veículo, como o automóvel, por exemplo. Já o início de ano é marcado por muitos compromissos financeiros para as famílias, como IPVA, matrícula e material escolar, entre outros. Com isso, o consumidor se retrai para fazer novos investimentos no primeiro mês do ano”, explicou o presidente da entidade.

 

Na análise da Fenabrave, os dados apontam para uma redução na queda das vendas de automóveis e comerciais leves, se avaliados os resultados comparativos entre janeiro de 2017 e do mesmo mês de 2016. “Houve aumento nos emplacamentos de comerciais leves, o que demonstra uma sinalização de retomada na economia”, afirma Assumpção Júnior.