Papel do mecânico é fundamental na inspeção

12203

Marcos Brandão, diretor de Operações da Controlar, acredita que o mecânico é um orientador do cliente no processo da inspeção veicular ambiental e que o fluxo nas oficinas aumentou e incentivou a atualização

 

O Mecânico: Conte um pouco da história da Controlar e do início da Inspeção Veicular Ambiental em São Paulo.
Marcos Brandão: A Controlar foi pioneira no Brasil em Inspeção Ambiental Veicular. Muito antes de entrar oficialmente em operação, nossos especialistas já percorriam o mundo para conhecer e estudar os mais modernos programas relacionados à Inspeção. A concorrência pública para prestar serviços de implantação e operação dos centros de inspeção aconteceu em 1995 e a Controlar foi contemplada. Os testes começaram em 1997, mas somente em 2007 saiu a regulamentação final para a execução do programa. Em 2008, iniciamos o programa, que em 2010 passou a ser obrigatório em 100% da frota de veículos registrados na cidade de São Paulo.

O Mecânico: Desde 2008 é realizada a Inspeção Veicular obrigatória em São Paulo, o balanço desse projeto é positivo em quais pontos e por que ainda não foi expandido para outras capitais brasileiras?
Marcos: Um estudo feito pelo Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da Faculdade de Medicina da USP comprovou que as melhorias trazidas pela Inspeção para qualidade do ar e à saúde vão além da capital paulista, atingindo também a Região Metropolitana. Em todas as categorias, foram constatadas expressivas quedas nas emissões de monóxido de carbono e de hidrocarbonetos. O estudo aponta que os veículos leves inspecionados em 2011 tiveram uma redução de 49% na emissão de monóxido de carbono e de 39% na de hidrocarbonetos. No caso das motos, as quedas das mesmas emissões foram de, respectivamente, 34% e 42%. Apenas para efeito comparativo, segundo a USP, o ganho com a Inspeção equivale a retirada dos poluentes emitidos por uma frota de mais de 1,4 milhão de veículos, sendo 1,285 milhão de automóveis, 87 mil motocicletas e 36,3 mil caminhões e ônibus, somente em 2011. A expansão da inspeção ambiental para todas as cidades é prevista pelo CONAMA. As capitais já se preparam para implantar seus programas e têm, inclusive, visitado as instalações da Controlar para conhecer nosso projeto.

O Mecânico: Em relação à qualidade de vida da população, o que a Inspeção ajudou?
Marcos: Os benefícios são grandes para a população. Considerando apenas os veículos a diesel que fizeram a inspeção em 2011 na cidade, o estudo concluiu que foram evitadas 1.515 internações hospitalares e 584 mortes por problemas respiratórios, resultando em uma economia de mais de US$ 79 milhões ao sistema de saúde na Grande São Paulo. Os números seriam superiores caso a inspeção ambiental atingisse toda a frota de veículos a diesel em circulação na Região Metropolitana. A estimativa dos pesquisadores é que a iniciativa salvaria 1.560 vidas e evitaria 4.045 internações, resultando em uma economia de mais de US$ 212 milhões no sistema de saúde. Os resultados do estudo atestam que os benefícios podem ser traduzidos em significativos ganhos para a saúde, ainda mais significativos com a inclusão da análise dos resultados dos automóveis e motocicletas, movidos à gasolina, álcool e GNV, o que confirma que estamos no caminho certo.

O Mecânico: E quanto ao veículo, que é um bem para o proprietário, a Controlar acredita ter melhorado suas condições por ter uma inspeção obrigatória?
Marcos: Sim. Além de promover melhorias para o meio ambiente e para a população, a inspeção ainda incentiva a manutenção preventiva e regulagem dos veículos. O aumento da demanda também levou mecânicos a investirem em aperfeiçoamento e modernização de equipamentos para atender aos clientes que desejam preparar seus carros para inspeção. Veículos em melhores condições beneficiam os proprietários e o trânsito da cidade.

O Mecânico: Conte um pouco como é o processo da inspeção na Controlar. Quais itens são checados e o que tem causado mais reprovações na linha de inspeção?
Marcos: A inspeção ambiental veicular é dividida em quatro etapas: pré-inspeção visual, inspeção visual, inspeção computadorizada e inspeção de ruído. Cada um dos itens de rejeição da pré-inspeção visual impede a continuidade no processo por comprometer a integridade do veículo, das pessoas ou do equipamento. No final do processo, é fornecido ao proprietário um relatório de inspeção, informando os itens que levaram o veículo à rejeição ou os índices medidos de CO e HC que reprovaram o carro. São informações suficientes para que um mecânico capacitado possa realizar os ajustes necessários. O proprietário tem 30 dias corridos para fazer a manutenção corretiva no veículo e realizar, gratuitamente, uma nova inspeção. Itens da pré-inspeção visual são as principais causas de não aprovação de veículos na inspeção ambiental veicular. Mais de 50% das não aprovações dos automóveis ocorrem na primeira etapa da inspeção com problemas como alterações ou avarias no sistema de admissão de ar, emissão de fumaça visível, vazamento aparente de fluídos e alterações, avarias ou estado avançado de deterioração no sistema de escapamento.

O Mecânico: Qual o balanço de veículos aprovados e reprovados nas linhas de inspeção?
Marcos: A média de não aprovação na primeira inspeção em todos os ciclos é de 18%. Até outubro deste ano, 2.128.354 automóveis foram inspecionadas, com aprovação de 96,8% dos veículos. Já das 202.867 motos inspecionadas, 95,6% foram aprovadas. Já veículos movidos a diesel, como ônibus e caminhões, dos 94.195 veículos inspecionados, 90,7% obtiveram a aprovação.

O Mecânico: O mecânico é parte fundamental nesse trabalho, como ele deve orientar o cliente dele em relação a inspeção?
Marcos: O papel do mecânico neste processo é de orientar o cliente de que a manutenção preventiva do seu veículo é importante para sua conservação e também para o meio ambiente.

O Mecânico: É indicado que se faça uma pré-inspeção antes de levar o carro na Controlar?
Marcos: Há vantagens na pré-inspeção. Uma delas é possibilidade de analisar a emissão de gases com equipamento adequado e certificado. Também é uma oportunidade para previamente fazer as manutenções necessárias. No entanto, na inspeção o veículo é analisado pela equipe da Controlar e, em caso de reprovação, o usuário é informado sobre os pontos que não estão em conformidade. É dada, então, a oportunidade para o usuário de levar seu carro ao reparador e fazer os ajustes necessários para nova inspeção. Todas as informações necessárias para aprovação do veículo na inspeção estão disponíveis no site da Controlar www.controlar.com.br.

O Mecânico: Na sua opinião, o que o mecânico deve saber sobre a inspeção veicular e como ele pode ajudar para que o objetivo do projeto seja cumprido?
Marcos: A Controlar, em parceria com o Sindirepa, é parceira do mecânico em seu trabalho com vistas para a inspeção veicular e elabora diversas ações e materiais para que o reparador automotivo possa desempenhar bem sua função e satisfazer nossos clientes. Entendemos que o principal elemento para essa parceria é o conhecimento. O profissional precisa estar informado sobre os padrões estabelecidos pela Lei e que são aplicados na inspeção ambiental para os veículos. Isso envolve conhecimento técnico sobre os veículos e equipamentos utilizados na inspeção e pré-inspeção. Como dito anteriormente, o objetivo da Controlar é que todos os veículos estejam adequados e prontos para aprovação na inspeção ambiental.

O Mecânico: Em agosto, na EXPOMECÂNICO, a Controlar iniciou um programa de treinamento para o mecânico em relação a inspeção, que está sendo continuado. Qual a intenção desse trabalho?
Marcos: A capacitação dos mecânicos é fundamental para que tenhamos um ar cada vez mais limpo em nossa cidade. O Sindirepa-SP lançou o curso de Formação de Mecânicos para Inspeção Ambiental Veicular, com apoio da Controlar e patrocínio do Sebrae-SP. Além de mostrar quais itens do veículo devem ser verificados na pré-inspeção, o treinamento de cinco horas oferece um módulo com dicas para a gestão das oficinas mecânicas. O objetivo da parceria entre a Controlar e o Sindirepa-SP é mostrar ao mecânico o bem que ele proporciona para a sua cidade e dar a estes profissionais o know-how para que possam atender seus clientes da melhor forma possível e contribuir com a cultura da manutenção preventiva.

O Mecânico: Terão várias etapas? Como o mecânico faz para participar?
Marcos: O curso possui carga horária de cinco horas e é realizado em um único dia. Todos os profissionais que exercem atividades para o setor como: proprietários de centros automotivos, mecânicos reparadores, retíficas, de escapamentos e balconistas de autopeças poderão participar do treinamento. Os participantes receberão do Sindirepa um certificado após a conclusão do curso. O documento é emitido em duas vias: uma em nome do profissional e outro em nome da oficina. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site: www.formacaomecanicos.com.br ou pelo telefone (11) 3674-7220.

O Mecânico: Nesse treinamento, que tipo de temas são abordados? E o que vai ajudar o mecânico e seu cliente, o proprietário do veículo?
Marcos: Os tópicos abordados nos cursos são: a empresa Controlar, o perfil e as atividades de quem trabalha na Controlar, a relação entre mecânicos e a Controlar, itens verificados na inspeção, medição de gases e medição de ruídos.