Entrevista – Sinergia Global

Texto: Edison Ragassi
Foto: Divulgação

Instalada no Brasil com unidade industrial desde 1915, a SKF, que tem a matriz em Gotemburgo, Suécia, desenvolve e comercializa produtos para atender as montadoras e mercado de reposição. Com forte atuação junto aos mecânicos, oferece suporte e assistência técnica por vários canais, inclusive os digitais. Claudinei Reche, Presidente América Latina, lidera a empresa neste processo, o executivo tem mestrado em administração de negócios pela Universidade de Ohio e MBA em administração de negócios e marketing pela FVG. Também foi professor de economia na Universidade Braz Cubas e teve passagens pela Höganäs AB e Mercedes-Benz do Brasil. Já Daniel Chimello Leite, Diretor Comercial Automotivo, está na linha de frente, em contato direto com os clientes. Ele tem MBA em gestão empresarial pela FGV, graduado em engenharia mecatrônica e pósgraduado em estatística. Leite iniciou sua carreira na SKF em 2002 na área de engenharia e atualmente é o responsável pela gestão comercial automotiva no segmento original e reposição. Os executivos trabalham para que neste período, a empresa cresça de maneira sustentável. Para isso programou investimentos, sempre focados nas necessidades do mercado nacional. A corporação global utiliza as várias unidades espalhadas pelo mundo para atender as necessidades do mercado globalizado. É o que eles relatam nesta entrevista exclusiva.

Revista O Mecânico: Qual a estrutura instalada da SKF no Brasil? A empresa conta com quantos colaboradores?

CLAUDINEI RECHE: A história da SKF do Brasil começou precisamente em 27 de janeiro de 1915, temos muito orgulho da nossa marca com mais de 100 anos presente no País. Atuamos com uma estrutura muito diversificada para suportar os diversos negócios geridos pela companhia na área automotiva e Industrial. Hoje, a SKF do Brasil conta com mais de 1.350 colaboradores, com seu polo fabril e um centro de distribuição localizado em Cajamar/SP

O Mecânico: : Os últimos anos foram difíceis para a economia do Brasil. Como a empresa se posicionou neste período?

RECHE: Apesar de toda a dificuldade econômica e política no Brasil, a SKF seguiu investindo para a obtenção de novos negócios, principalmente para as montadoras. Promovemos lançamentos de produtos de maneira constante, pois precisamos estar sempre atualizados e oferecer ao mercado uma excelente cobertura da frota. E seguimos com foco em capilaridade e fortalecimento dos parceiros da rede de distribuição que já estão conosco há muitos anos.

 

O Mecânico: A empresa desenvolve produtos específicos para as necessidades brasileiras?

DANIEL LEITE: Especificamente para o mercado de reposição, temos uma grande variedade de produtos com foco na aplicação de toda a frota brasileira, pesada e leve. Hoje não tem como atender nosso grande mercado sem investir no desenvolvimento local e otimizar os produtos de acordo com a necessidade do cliente

 

O Mecânico: : Entre os itens comercializados, como é a estratégia de importação e exportação?

LEITE: Temos hoje presença em mais de 130 países e nossa estratégia conta sempre com a adequação melhor da utilização de nossas fábricas variando nosso percentual de acordo com a capacidade utilizada das mesmas. A mesma estratégia é aplicada por todos os negócios do grupo, consumindo produtos da nossa fábrica no Brasil por todas no mundo, principalmente Europa e América Latina.

 

O Mecânico: Temos um novo regime automotivo o Rota 2030. Com ele incentivos para veículos híbridos e elétricos. Qual a percepção da empresa para este tipo de negócio no Brasil? Ela se prepara para esta nova realidade?

LEITE: A SKF busca sempre estar atualizada no seu modelo de negócio e produtos. Acreditamos que o impacto no Brasil com veículos híbridos e elétricos é inevitável, mas com um timing diferente de outros lugares do mundo. Hoje já vendemos tecnologias para estas novas características de veículos fora do Brasil e estamos preparados para se adaptar localmente de acordo com a demanda do mercado.

 

“(…)diversos técnicos que rodam o Brasil dando suporte ao mercado em loco e também contamos com uma estrutura interna atuando em diversos canais de comunicação(…)”

 

O Mecânico: No atual plano de negócios da empresa como é dividida a produção entre o que é fornecido para as montadoras e mercado de reposição?

lEITE: Nos últimos três anos, investimos em nossa fábrica e continuaremos investindo nos próximos meses para completar o ciclo de modernização e crescimento em novos negócios
junto as montadoras. Tradicionalmente a participação da nossa produção local é maior nas montadoras, muito pelo fato da concentração de volumes em poucos produtos. No mercado de reposição, a diversidade de produtos é muito maior. Como já comentado utilizamos as diversas fábricas espalhadas pelo mundo para suportar as demandas do mercado.

 

O Mecânico: O mercado de reposição nacional é importante para a economia do Brasil. Há espaço para crescer neste segmento?

LEITE: Sim, há espaço para crescer e a diversidade da frota nos traz muitas oportunidades de trabalhar em nichos e ao mesmo tempo cobertura de altos volumes, e para isso a SKF está preparada

 

O Mecânico: : Quais os pontos de vendas que a empresa prioriza, os lugares que não pode faltar os produtos fabricados?

LEITE: A SKF não prioriza nenhum ponto de venda especifico. Acreditamos que toda a cadeia deve ter nossos produtos. Hoje estamos muito focados na geração de demanda no mercado, fazendo com que tenhamos uma demanda puxada. Precisamos estar próximos das pessoas que tomam a decisão de comprar e instalar nossos produtos, estar próximos daquele que confia na marca e que reconhece a qualidade e tradição dos produtos SKF.

 

O Mecânico: Nestes locais há treinamento para os vendedores? Qual a periodicidade destes treinamentos?

LEITE: Treinamentos são uma constante para nós e praticamente toda semana temos algum de nossos associados realizando treinamento no mercado em alguma parte do Brasil.

 

O Mecânico: Suporte técnico, também é fundamental. Como é o Processo para solicitar atendimento técnico?

LEITE: Hoje possuímos diversos técnicos que rodam o Brasil dando suporte ao mercado em loco e também contamos com uma estrutura interna atuando em diversos canais de comunicação, trabalhamos com as tecnologias eletrônicas do mercado que também fornece suporte técnico, tais como, site, 0800 141 152, WhatsApp, e-mail, e etc…

 

“Sim, acreditamos numa maior estabilidade econômica e política no Brasil em 2019”

 

O Mecânico: Qual a importância do mecânico independente para a SKF?

LEITE: O mecânico é o nosso principal foco, pois tudo que fazemos é para que o mecânico tenha um produto seguro, de fonte confiável, e no tempo que ele precisa. Assim toda a nossa cadeia de suprimento hoje tem como primeira prioridade atender o mecânico, por isso, para a SKF, Tudo começa com o cliente, e o mecânico é nosso principal cliente

 

O Mecânico: O ano começa com muito otimismo por parte da população. A SKF também está otimista?

RECHE: Sim, acreditamos numa maior estabilidade econômica e política no Brasil em 2019. Os investimentos continuam a todo vapor e a SKF acredita no crescimento da economia e do Brasil de uma forma geral. Projetamos continuar crescendo em 2019 e estamos trabalhando muito forte para isso, com lançamento de novos produtos, aumento de portfólio, maior foco no mecânico e varejo, lançamento da rede credenciada SKF entre outras ações que nos permitirão crescer de maneira sustentável.

 

O Mecânico: : O mecânico independente pode contar com a SKF para crescer e progredir na sua profissão?

RECHE: Com certeza!!! Estamos à disposição 365 dias do ano e 24 horas por dia para atender qualquer necessidade que ele possa ter. A rede credenciada SKF Car Center, é uma iniciativa 100% voltada para o mecânico que dará um grande suporte para que ele possa desenvolver o seu negócio, além de nosso Market Place, CompreSKF.com e nosso atendimento Digital, CaRisMa pelo número 0800 141 152.