Alimentação – Substituição do Sensor do Combustível do FIAT Uno Mille

 

Veja o passo a passo da substituição do sensor de nível de combustível danificado do Fiat Uno Mille 2007/2008

Texto: Andrá Schaun
Foto: Lucas Porto

O sensor de nível do combustível é imprescindível para o bom funcionamento do veículo, principalmente quando tratamos de carros flex. Todo momento em que o veículo é reabastecido, inicialmente, a informação mostrada no marcador do ponteiro, no painel do veículo, é de responsabilidade do sensor. O dispositivo mede a quantidade de combustível existente no tanque do carro e transmite essa informação ao painel.

 

Desta maneira, ele informa a unidade de comando do sistema de injeção eletrônica (veículos flex), que houve reabastecimento. Assim o sistema inicia o monitoramento do sinal da sonda lambda (sensor lógico), e identifica o combustível que foi inserido no tanque. Ele é acoplado ao módulo de combustível, e o conjunto varia de acordo com o nível de combustível do tanque, controlando a corrente que faz o ponteiro do painel se movimentar.

 

Porém, caso não funcione perfeitamente, o sistema vai acreditar que o carro está com o combustível anterior e a marcação no painel será feita de forma incorreta, enganando o motorista. O problema no sensor se torna perceptível quando as medições estiverem explicitamente erradas, como, por exemplo, encher o tanque e o ponteiro não acompanhar o processo, ou rodar muitos quilômetros e não acontecer nenhum deslocamento no indicador. Andar com o tanque vazio continuadamente é um dos causadores mais comuns do problema, portanto, instrua o cliente para utilizar pelo menos um quarto de combustível no tanque. Isso auxilia a preservar o sensor e a bomba de combustível, pois ela utiliza o liquido para resfriar. Pode também ocasionar problemas de funcionamento do motor flex, se houver mudança do tipo de combustível.

 

Aqui, vamos descrever a seguir a substituição do sensor de combustível do Fiat Uno Mille 2007/2008, realizado por Edson Roberto de Ávila, o Mingau, mecânico proprietário da oficina Mingau Automobilística. O procedimento é validado pelo professor de engenharia mecânica da FMU e consultor técnico da Revista O Mecânico, Fernando Landulfo. Neste caso, é feita a remoção do módulo de combustível por completo, que fica embaixo do banco traseiro.

 

RETIRADA DO MÓDULO DE COMBUSTÍVEL

 

1. Retire a tampa de proteção da unidade para ter acesso ao módulo do sensor de combustível; solte os 6 parafusos e guarde em um recipiente para não misturar com outras peças e ter fácil manuseio na hora de colocá-los de volta (1a). Toda a área da unidade provavelmente estará coberta por sujeira (1b).

 

 

 

2. Antes da retirada do módulo de combustível, faça a higienização do local para que as impurezas não caiam no reservatório com a remoção do módulo.

 

Obs.: É recomendado usar produto biodegradável e deixá-lo agir por 30 segundos, e desgrudar as impurezas com pincel (2a). Feito isso, use água para enxaguar (2b).

 

 

 

3. Use um pulverizador com um bico extenso e fino para tirar o excesso de água, em seguida passe um pano para concluir a higienização.

 

 

4. Desconecte manualmente as duas mangueiras e o conector do módulo de combustível (4a).

 

Obs.: Após estarem totalmente desconectadas, elas podem ser empurradas para baixo da unidade, assim, o espaço ficará livre para a retirada do módulo. (4b)

 

 

 

5. Utilizando uma chave canhão 8 mm, solte todas as porcas do suporte de metal na parte superior do módulo (5a) e separe em recipiente (5b).

 

 

 

6. Remova o módulo por completo da unidade, e caso tenha dificuldade, é aconselhável usar uma chave de fenda para auxiliar na retirada (6a).

 

Obs.: Depois de fazer a retirada, coloque-o dentro de um recipiente, para evitar que os resquícios do combustível caiam sobre o carro. (6b)

 

 

7. Após levar o recipiente com o módulo para outro ambiente, troque a bacia atual por uma totalmente seca.

 

Obs.: Não devolva o combustível que ficou na primeira bacia para reutilização, pois ele já teve contato com sujeira.

 

8. Para remoção do sensor deficiente, com uma chave de fenda, abra as travas do conector, tanto na parte da frente, quanto na parte de trás do circuito (8a). Em seguida, usando a mesma chave, solte as travas do sensor que fica na parte interna dele – onde são encaixados os conectores (8b). certifique-se de que ele está totalmente solto e efetue a remoção (8c).

 

 

 

 

INSTALAÇÃO DO SENSOR NOVO

 

9. Encaixe o novo sensor no lugar do removido. (9a) Antes de encaixar o conector, é aconselhável trocar as borrachas que vão em seus dois bicos, para viabilizar o combustível entre as partes de contato, resolvendo a questão da oxidação (9b). Feito isso, encaixe-o no orifício da cabeça do sensor e prenda as travas (9c).

 

 

 

 

10. Faça um teste prático do sensor. Pegue o módulo consertado, devidamente limpo, e encaixe o conetor da unidade no módulo para passar corrente. Eleve o sensor de nível, simulando como se o tanque estivesse cheio. Em seguida, dê a partida no carro e observe se o marcador no ponteiro do painel mostra o nível cheio. Depois, deixe o nível em meio tanque e com tanque vazio, se o painel fizer a leitura correta destes níveis, quer dizer que a troca do sensor foi efetuada com sucesso.

 

 

11. Para reinstalar o módulo na unidade, (11a) encaixe e pressione-o para certificar de que nada está obstruindo seu espaço, pois se estiver mal encaixado, o funcionamento correto será comprometido (11b).

 

 

 

12. Encaixe a peça metálica sobre o módulo (12a), em seguida coloque as arruelas (12b) e, posteriormente, rosqueie as porcas (12c).

 

Obs.: Certifique-se de que tudo está colocado de forma correta; verifique uma por uma.

 

 

 

 

13. O primeiro passo depois do encaixe por completo do módulo na unidade é, fazer a higienização do conector da unidade para evitar oxidação futura. É aconselhável passar um limpa-contato e posteriormente, um desengripante, mas sem exagero.

 

 

14. Encaixe o conector e as mangueiras. É aconselhável encaixar primeiro o conector, depois as mangueiras. Isso porque a mangueira de pressurização passa exatamente na parte de trás do conector. Se você encaixá-la antes, pode ter dificuldade para encaixar o conector (14a).

 

Obs.: Cuidado com a força que você aplica na hora de apertar as mangueiras no bico do módulo, pois eles são frágeis, e se acontecer qualquer fissura, todo processo terá que ser feito novamente. (14b).

 

 

 

15. Acople a tampa da unidade. Coloque a tampa com a seta virada para o porta-malas, e aperte todos os seis parafusos de forma correta; certificando-se que a tampa está firme após finalizar o procedimento.